Lesões por movimentos repetidos podem ser evitados com descanso

Movimentos repetidos realizados no dia a dia podem causar dor e sérios problemas no funcionamento dos membros do corpo. As lesões podem até mesmo ser suficientes para provocar fissuras nos ossos. Ou seja, vale a pena prevenir.

O esforço ou força empregados em um clique no mouse são muito sutis, a não ser que você esteja em uma situação complicada. Mesmo assim, o simples ato de pressionar o dedo inúmeras vezes  pode gerar problemas.

Movimentos repetitivos simples como esse ou digitar, que fazem parte da rotina de muitos trabalhadores de escritórios, bancos, empresas e outros estabelecimentos, podem trazer consequências que afetam a sua saúde.

O termo mais utilizado para designar esse tipo de machucado é lesão por esforço repetitivo
(LER), um problema muito relacionado com atividades de trabalho, mas que também pode acontecer em outros ambientes. Postura ruim e má distribuição da força ou empenho ao realizar um movimento são as suas principais causas.

Além disso, exercer os movimentos repetitivos por muito tempo, rigidez causada por temperaturas baixas e estresse estão envolvidos no aparecimento das lesões. Quando há um problema, os sinais são dor, falta de força, coordenação ou mobilidade, ardência e formigamento.

A dor pode ir além do local que realiza o esforço repetitivo e atingir os ombros e as costas. A tensão perto do pescoço também pode se agravar quando há uma lesão. Tendinite e síndrome do túnel do carpo, por exemplo, são causadas pela repetição excessiva.

Ainda há enfermidades que contribuem com o aparecimento de problemas por esforço repetitivo. Gota, esclerose sistêmica, reumatismo, osteoartrite, diabetes e outras estão relacionadas com a predisposição às lesões.

O Ministério da Saúde aponta que o tratamento não é de responsabilidade exclusiva de médicos. Outros profissionais, como fisioterapeutas, enfermeiros, terapeutas ocupacionais e psicólogos podem contribuir para um tratamento com técnicas diversificadas.

Alguns medicamentos podem ser prescritos para amenizar os sintomas e contribuir com a melhora, mas há a necessidade de reabilitação dos movimentos e de treinar o membro a fazer o esforço de maneira a evitar lesões. Já procedimentos cirúrgicos não são recomendados em casos de LER por não apresentarem evolução significativa.

Facebook Comments

Post a comment