APAIXONAR-SE

“A noite estava linda, lua cheia, estrelas brilhantes no ceu, ar fresquinho de outono e uma brisa suave ondulava as folhas das árvores cintilantes á luz do luar. Sai para encontra-lo num café. Não saberia reconhece-lo porque a foto embaçada do watsap impedia de vê-lo claramente.

Cheguei mais cedo. Fui encaminhada á mesa reservada e pedi uma agua com gás. Era um encontro para discussões filosóficas e a empatia nas mensagens já me envolvia de expectativas, ansiosa para conhecer aquele senhor de sabedoria elevada. Já pairava em meu coração uma amizade concretizada, uma admiração encantada e uma sensação de cumplicidade pelos mesmos anseios filosóficos, mesmo sentido de vida e mesma busca por verdades interiores universais.

Minutos se tornavam horas de espera. Não conseguia me concentrar no watsap cheio de mensagens fúteis, coloridas e floreadas de boa noite, boa sorte, boas bênçãos, bons desejos.

E, neste interim de momentos, senti a aproximação do esperado filósofo e abri a boca em boa surpresa. A figura esbelta se aproximava errante, tão suave que parecia caminhar nas nuvens, tão belo que envergonharia Narciso, tão doce que me envolveu em ternura.

Meu coração em toque de marcha acelerou-se e encheu-se de chamas. Respondi ao sorriso lindo com um sorriso doce. E em cumprimentos sem muitas palavras nos introduzimos ao conhecimento. Afloraram-se os sentimentos. Afloraram-se os pensadores, poetas, filósofos até nos desnudarmos em verdades, cumplices do acolhimento mutuo em aconchego. Tudo regado á um bom vinho!

O tempo passou rápido e no meu deleito ele se foi suave como o vento e arrasador como um tormento. Mas deixou marcas em meu coração que, de vez em quando me arrebata em recordação dos bons momentos. E borboletas borbulham no meu estomago, tão esquecido destes sentimentos. E o fogo da paixão enamora o meu ser e faz brotar desejos supostamente adormecidos, faz brilhar meu ser em luz cintilante de amor e no meu intimo um reviver entorpecido.

Que bom sentir novamente o coração acelerar-se, as borboletas revoarem em sinfonia em harmonia, e o vigor fluir em alegria contagiante. ”

– Mamãe, mamãe solicita-me minha filha. Fecho o livro e volto para a vida costumeira e deixo que as borboletas me acompanhem e que esta magia se apodere da minha realidade por momentos.

Texto do livro SENSIBILIDADE

Dra. Dulcinea Mattar:  Cirurgiã Dentista, professora, escritora, especialista em Odontogeriatria, Gerontologia Social e Saúde Coletiva. Membro da Academia Mineira de Odontologia cadeira nº3.Proprietária e dirigente do Hotel Geriátrico Residencial Harmonia.  [email protected]. 31 997989399.

Facebook Comments

Post a comment